Frísia aumenta capacidade de armazenamento e diminui tempo de resposta ao usuário

Para falar sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial, primeiro precisamos contar sobre a história da chegada dos imigrantes holandeses na região dos Campos Gerais, no início do século XX. Havia um plano de colonização nesta época muito atrativo e que tornou-se possível a criação da primeira cooperativa no Brasil, chamada Sociedade Cooperativa Hollandeza de Lacticínios e mais tarde originou-se a marca BATAVO.

Na década de 40 chegam novos imigrantes e a cooperativa se expande aprimorando as atividades de pecuária importando gados puros de raça holandesa. Na década de 50 surge a Cooperativa Central de Lacticínios do Paraná (CCLPL). Neste momento a marca Batavo é incorporada à CCLPL.

Desta época até os dias de hoje aconteceram algumas incorporações das empresas envolvidas, passando pela Batávia S.A. na década de 90 e em 2007 na Perdigão S.A (hoje grupo BRF). Em 2015 a marca Batavo é vendida para o grupo Lactalis e então a cooperativa decide mudar sua denominação social para Frísia Cooperativa Agroindustrial. Porém sua essência, história, estrutura, colaboradores e família de associados permanecem as mesmas.

Frísia aumenta capacidade de armazenamento e diminui tempo de resposta ao usuário

frisia_01_02_2016

A Frísia, antiga Cooperativa Batavo, nosso cliente desde a década 1990, alcançou em meados de 2016 a tão almejada alta disponibilidade e resiliência em tecnologia da informação  através da implementação de um projeto de disaster recovery. Ao encontro de um planejamento estratégico da Cooperativa em trabalhar 24×7, contando com a segurança de possuir um site backup, este projeto foi executado quando da construção do novo datacenter na sede nova, dentro das melhores práticas de segurança e gerenciamento, que passou a replicar de forma síncrona, através de lances de fibra ótica escura, com o datacenter da sede antiga.

Os  principais requisitos exigidos pela diretoria foram alcançados no projeto, tais como: RTO (Recovery Time Objective – tempo necessário para reativação do ambiente) e RPO (Recovery Point Objective – Ponto de restauração dos dados), proporcionando segurança, disponibilidade das aplicações e preservação dos investimentos já realizados.

Utilizando-se da infraestrutura adaptável e flexível  HPE de servidores, storage, conectividade e gerenciamento, ambos os sites que são idênticos, utilizam servidores BLadesystems, storage LINHA 3par, switches core e borda HPE gerenciamento de redes com IMC e software de backup HPE Data Protector. A Replicação física entre os dois Storages HP 3Par 7200 ocorre através do HP 3PAR Replication Suite.

Na camada de virtualização com a plataforma VMware Enterprise, com replicação automatizada através do VMware SRM (Site Recovery Manager) a TI garante total flexibilidade mantendo o uptime das aplicações de até 99,749% ao seu principal público (cooperados, colaboradores, fornecedores e clientes).

Para elucidar a complexidade da arquitetura da informação, segue diagrama lógico  e físico da solução:

Diagrama Lógico: Situação Atual: ao inves de 2 HP BL460 G7 no Site Backup, temos 1 no Site Backup e outro no Site Principal.

Diagrama1

Diagrama Físico: Faltou descrever os componentes do enclosure c7000 do Site Principal.

Diagrama2

Segundo o parecer da equipe TI –  Frísia, e tendo como CIO Berenice Los, os  ganhos e benefícios com este projeto vieram devida a necessidade crescente de assegurar alta disponibilidade e redução do risco de perda da informação a todo seu público e também com o retorno à industrialização em 2011, exigiu-se a demanda por sistemas informatizados 24×7. Frente a isso, à TI da Frísia encontrava-se diante à um desafio no qual precisava modernizar sua infraestrutura.

Em fevereiro de 2015, procurou o parceiro Guaíba Soluções Corporativas para desenhar soluções que atendessem suas demandas. Após cerca de dois meses de reuniões entre Guaíba, Hewlett Packard Enterprise e Frísia, o projeto foi iniciado. O fato de o cliente ter quase todo seu parque tecnológico composto por equipamentos da HPE facilitou a adoção das soluções, o que foi um diferencial. O ponto único de contato para suporte do ambiente é outro benefício a ser considerado.

Existia um Data Center com predominância de ativos do fornecedor escolhido. Com a oportunidade de construirmos um novo Data Center, que seria o principal, vimos a possibilidade da aquisição de servidores mais atualizados (BL 460c Gen 9) e storage 3Par 7200 com mais discos (SAS e SSD), com isso, aumentamos nossa capacidade de armazenamento e diminuímos nosso tempo de resposta ao usuário, através do aumento de IOPS e redução de latência.

Com as novas aquisições, conseguimos preservar o investimento anterior podendo consolidar o ambiente legado. Ganhamos em integração dos sistemas de armazenamento, processamento, redes e software.

Com um projeto elaborado entre Frísia, Guaíba e HPE, a aquisição/implementação ocorreu em duas partes, ambas com tranquilidade e agilidade, tendo início em fevereiro de 2015 a março de 2015 (aquisição) e outubro de 2015 a fevereiro de 2016 (implementação).

Desafios do negócio 

  • Suportar as exigências de um ambiente de Missão Crítica;
  • Infraestrutura capaz de suportar o crescimento do ambiente de negócios em período de 5 anos;
  • Mínimo espaço físico ocupado (modularidade) e redução do consumo de energia;
  • Recuperação do ambiente em até 1 hora em caso de desastre garantindo 100% dos dados atualizados;
  • Evoluir nos itens segurança, escalabilidade, interoperabilidade, confiabilidade e disponibilidade;
  • Migração dinâmica de recursos entre os sites com ambiente ativo-ativo;
  • Ambiente pronto para Cloud Computing.

Soluções Implementadas

  • 1 x Chassis HPE BladeSystem c7000;
  • 4 x Servidores HPE Proliant BL460c Gen9;
  • 8 x VMware vSphere Enterprise Plus;
  • 2 x VMware SRM (Site Recovery Manager);
  • 1 x Storage HPE 3PAR StoreServ 7200 (64x900GB SAS + 16x480GB SSD);
  • 2 x Switch SAN HP SN3000B Fibre Channel Switch;
  • 1 x Tape Library HPE StoreEver MSL2024 LTO6 FC;
  • 3 x Switchs core HP 5800-24G;
  • 16 x Switchs de borda HP 1910.

O principal diferencial desse projeto estava na alta disponibilidade e redução do risco da perda de informações em relação à estrutura anterior, pois se algum grave sinistro ocorre-se, como por exemplo: incêndio, vazamento de água, desmoronamento, entre tantos outros possíveis, ficaríamos com nossos sistemas indisponíveis por tempo indeterminado (atualmente, seria no máximo 1 hora parado), e quando os mesmos voltassem a operar normalmente, possivelmente as informações estariam defasadas em relação ao momento que ocorreu o sinistro, sendo que esta perda de informações poderia ser de até 72 horas (atualmente, não ocorreria perda de informação).

Aumentado o tempo de funcionamento dos Sistemas de Informação e reduzindo a possibilidade de perda de informações, diminuímos a chance de ocorrer passiveis tangíveis (multas, etc.) e intangíveis (imagem negativa, processos de clientes, desconfiança dos cooperados, etc.) para a empresa, consequentemente melhorando os resultados como um todo e aumentando o nosso ativo intangível (credibilidade, integridade, fidelização do cooperado, etc.).

Se você tem interesse em soluções de TI, entre em contato com nossos consultores de venda pelo e-mail: contato@guaibasolucoes.com.br ou ligue: (41) 3072-3888.